Algumas semanas atrás estive no FISL (Fórum Internacional do Software Livre) em Porto Alegre que contou com cerca de 7 mil participantes. Foi um evento longo e cansativo, mas valeu muito a pena ter ido.

Diferente dos outros relatos onde eu conto um pouquinho das palestras, dessa vez vou falar sobre as muitas coisas rolaram durante os dias do evento.

A história começa antes mesmo do evento, na quarta-feira (dia 24/07) conheci vários companheiros de Liferay de uma maneira inusitada, no café da manhã do hotel. E eram só o General Manager do escritório no Brasil e o CEO da empresa, Bryan Cheung.

Chegando no evento nos deparamos com um espaço gigante com vários stands e salas com palestras sobre vários assuntos, tudo junto e misturado. Um dos stands, inclusive era da Liferay, outra coisa que não esperava. A ironia do destino foi ter o stand da Globo exatamente na frente do nosso.

Outra coisa interessante foram as tradicionais “aldeias”. As aldeias representam espaços dedicados para determinada comunidade de desenvolvimento se reunir.

Nessa edição, houve a “inauguração” da primeira aldeia dedicada apenas ao JavaScript na história do FISL. Um feito extremamente relevante para a comunidade de JavaScript do Brasil, nesse que é em um dos maiores eventos no cenário de desenvolvimento de software aberto na América Latina.

Esse dia foi basicamente dedicado para os preparativos da palestra do CEO e da minha. Inclusive, você pode encontrar os slides da minha palestra em: talks.zenorocha.com/2012/fisl

E conferir o vídeo aqui:

Na quinta-feira (dia 25/07), outro passo muito importante foi dado, o lançamento do BrazilJS Foundation. Se você ainda não conhece, sugiro a leitura desse artigo - Introducing BrazilJS Foundation.

Dezenas de feedbacks positivos e outras dezenas de feedbacks negativos.

Muitas pessoas ficaram realmente incomodadas com o fato do site não conter inicialmente a versão em português, um erro que foi rapidamente contornado.

Fiquei muito animado com a adoção das pessoas, mas também um pouco chateado com determinados reações, tanto que no mesmo dia escrevi esse outro artigo - Don’t feed the trolls.

Na quinta-feira (dia 27/07/12) passei o dia inteiro no Hackathon na MozillaHQ. O objetivo era criar uma app e submeter para a Mozilla Marketplace.

Infelizmente não consegui terminar e submeter a tempo, até porque aproveitei o dia para trocar muitas ideias com esses caras e gravar um vídeo com o Christian Heilmann (@codepo8), Principal Evangelist da Mozilla, mostrando um celular rodando o Boot2Gecko.

Enquanto que no sábado (dia 28/07/12) passei boa parte do dia contribuindo para o Boot2Gecko na tradução da documentação na MDN.

Concluindo

Muita coisa rola por lá. Se quiser se desbravar as diferentes trilhas de palestras, vá em frente. Se quiser ficar em alguma das aldeias, também vá em frente. O legal do evento é justamente essa liberdade e a vasta gama de escolhas, aliadas com o contato com pessoas de todo lugar do país.