Imagine o maior auditório da região sul do país. Agora imagine 1 mil pessoas juntas nesse lugar. E que tal imaginar 70 mil pessoas acompanhando ao vivo por todo canto do mundo.

Isso não foi imaginação, isso foi o BrazilJS 2012 e foi assim que terminou minha jornada do mês de agosto.

Hoje li o arrepiante relato do Bernard de Luna sobre “O dia que eu palestrei no maior evento de JavaScript do universo”. Resolvi fazer o mesmo, só que ao invés de falar sobre o dia, vou falar sobre como foi meu mês antecedente a esse acontecimento.

Preparativos

O final de julho já dava o tom do que seria o mês de agosto, intenso!

Primeiro participei do FISL em Porto Alegre (25/07 - 29/07), lá fui convidado para participar de um treinamento fechado da Mozilla. Embarquei para o Rio onde fiquei por 2 dias (30/07 - 31/07) antes de ir para São Paulo — Ler Relato.

Cheguei em São Paulo para o Devs Meetup/MozReps Traning da Mozilla (01/08 - 03/08) e fiquei por lá mesmo para palestrar na QCon (04/08 - 05/08), uma experiência enriquecedora ao lado de caras absurdamente fodas _— _Ler Relato.

De São Paulo viajei direto para Recife, onde fiquei por um bom tempo (06/08 - 16/08). Lá na Liferay discutimos os rumos do projeto AlloyUI, palestrei para os alunos da Unibratec e ainda promovemos dois TechTalks _— _Ler Relato.

A próxima missão era o Front in Porto Alegre (17/08 - 20/08).

De Porto Alegre voltei para Recife, para trabalhar mais alguns dias no escritório da Liferay e também falar para os alunos da faculdade Marista (21/08 - 23/08).

Aí veio a TablelessConf em São Paulo (23/08 - 24/08) e o The Developers Conference em Florianópolis (25/08 - 26/08), eventos que agitaram bastante suas comunidades locais.

Novamente voltei para Recife, por conta de uns treinamentos (27/08 - 29/08) e preparação final antes da mais aguardada das conferências.

Mesmo tendo que preparar meus slides, passei noites em claro junto com Eduardo Lundgren preparando o projeto que seria apresentado na palestra dele, o Tracking.JS.

Chegava então a hora de embarcar para o BrazilJS (30/08 - 02/08), planejava citar o Dive into HTML5 na minha palestra, por isso no avião fiz o sprint final de tradução do projeto. E finalmente temos 100% do projeto traduzido agora!

Expectativa

Quanto mais perto chegava o evento, mais preocupado eu ficava. Primeiro porque precisava preparar meus slides e segundo porque a conferência estava tendo uma super exposição na mídia. Lembro de ter visto dezenas de matérias em sites de notícias e por fim rolou até uma entrevista na TV!

Dia 1 - BrazilJS

Chegando no evento você já se deparava com uma fila assustadora de pessoas, muita gente mesmo. Outra coisa igualmente assustadora era a estrutura do lugar, enorme e impecável.

Em termos de palestras, muita coisa legal rolou no primeiro dia de conferência.

Eduardo Lundgren, da Liferay, usou os controles de um PlayStation Move para se movimentar em um cenário de Minecraft feito em WebGL.

E o Renato Mangini, da Google, simplesmente controlou as luzes do auditório usando JavaScript!

Ao meu ver, os destaques ficaram para esses dois caras que utilizaram o JavaScript em algo muito além de fazer sites.

Mas não poderia deixar de citar as palestras do Richard Worth explicando como jQuery é mais famoso que abacate, Leonardo Balter falando sobre seu projeto Dexter.JS, Maximiliano Firtman sobre HTML5 no mundo Mobile, Mike Taylor sobre JavaScript na TV e Dave Herman sobre o EcmaScript 6.

Showtime!

Depois de um primeiro dia recheado de atrações, era hora de eu entrar em ação. A expectativa do público era alta, assim como meu nervosismo.

Vi que as pessoas estavam sentindo falta de um pouco de live coding, portanto para algumas das ferramentas que mostrei, fiz questão de demonstrar ao vivo, mesmo com a gigantesca chance de dar errado.

No fim, partindo da máxima de que “Small Acts Make Great Revolutions”, resolvi chamar ao palco ninguém menos que o mestre dos mestres, Maujor! E finalmente utilizar o sofá do palco que ninguém no evento tinha usado.

Sua participação foi simplesmente épica, transformando a atmosfera da conferência e abrindo portas para o meu amigo, e próximo palestrante, arrebentar.

Dia 2 - BrazilJS

O segundo dia, foi recheado por tantas outras surpresas.

O famoso criador do Twitter Bootstrap, Jacob Thornton, mais conhecido como Fat, teve problemas com o visto e não conseguiu vir para o Brasil.

No seu lugar entrou ninguém melhor que Bernard de Luna. A missão não era fácil, falar sobre CSS em uma conferência só de JavaScript. Ele não só substituiu o cara, mas como sempre deu um verdadeiro show no palco.

E não foi só o Fat que ficou triste por não vir ao BrazilJS, o popstar Paul Irish, da Google, também enviou um vídeo para os participantes.

Outras palestras que merecem destaque foram as de Ben Alman falando sobre Grunt e por fim O Criador, Brendan Eich, CTO da Mozilla, falando sobre o estado do JavaScript.

Fora isso, outros palestrantes também representaram muito bem. Davidson Fellipe abriu falando sobre performance, Michal Budzynski sobre games e Daniel Filho sobre getUserMedia.

Concluindo

Fiz questão de mostrar como foi meu mês justamente para o pessoal entender a dificuldade que é lidar com tantos compromissos e dificuldades do trabalho.

Durante as palestras li alguns tweets meio agressivos, não com referência a mim, mas outros amigos que palestraram por lá. E entendo completamente a insatisfação de algumas pessoas já que pagaram para receber um bom conteúdo e estão ali investindo seu tempo. Mas ressalto a dificuldade de preparar o material e coragem para subir em um palco diante de tantas pessoas, por isso pra mim, independente da qualidade da palestra, todos já são heróis.

Ontem voltei pra casa, depois dessa maratona de viagens e me sinto absolutamente realizado em ter participado disso, revi vários amigos e fiz muitos outros. Esse tipo de experiência não se paga.

Se você não pode ir ao evento e também não conseguiu acompanhar a transmissão online, fique tranquilo que os slides e vídeos das palestras serão disponibilizados em breve.

E como já dizia Brendan Eich: Always Bet on JS!

Agradecimentos

Muita gente contribuiu para tornar esse mês inesquecível, desde a galera da Liferay que me acolheu super bem lá em Recife, o pessoal do PartyJS que acabou com a minha bateria e tornaram meus dias mais alegres, até o gentil Maujor que aceitou meu convite e fez uma participação simplesmente épica no evento.

E é claro, não podia terminar esse depoimento sem agradecer a Mari Camardelli, Jaydson Gomes e Felipe Nascimento. Foram eles que se dedicaram por meses em busca de organizar essa fantástica conferência, sem dúvida a melhor que eu já fui!

Outros depoimentos: