Essa semana acabei chegando em São Paulo com mais antecedência do que eu imaginava.

Tudo estava certo para que eu participasse da QCon no domingo. Porém, alguns dias antes, estive em Porto Alegre para o FISL (Fórum Internacional do Software Livre) e por lá conheci o Christian Heilmann (@codepo8), Principal Evangelist da Mozilla.

O papo acabou resultando em um convite para eu participar de um treinamento fechado para os representantes da Mozilla (mesmo não sendo um deles).

A saga pela selva de pedra começou mais ou menos assim...

Mozilla Reps - Devs Meetup

Cheguei na quarta (01/08) de manhã em São Paulo e logo me dirigi ao hotel. Já na recepção encontrei os, sempre muito simpáticos, caras da Mozilla Hispaño (alguns que inclusive já tinha conhecido na JSConf Argentina).

A noite rolou o Devs Meetup. Muita gente da comunidade brasileira e muitos funcionários da Mozilla de todo lugar do mundo por lá, além é claro de comidas e bebidas até você dizer chega.

De lá, ainda corri para um encontro da comunidade SampaJS!

Ter tido a oportunidade de trocar ideia com essas pessoas foi muito enriquecedor. Seja com os caras da Argentina para entender a comunidade e o mercado de desenvolvimento em torno deles; seja com os evangelistas, engenheiros, pesquisadores e gerentes de negócio da Mozilla para obter informações direto da fonte; e seja com os brasileiros, para entender o que estão aprontando por aqui.

Mozilla Reps - Speaker’s Training

No dia seguinte (02/08), rolou o treinamento de fato. Na verdade foi mais um bate-papo sobre experiências passadas e como lidar com elas. Além, é claro, de várias dicas.

Muita coisa foi falada por várias pessoas (inclusive eu), então é complicado lembrar de tudo, mas vou destacar alguns pontos e acrescentar outros que eu julgo importante.

  1. Tenha tudo offline. Internet de evento é sempre uma droga, então não confie seus slides ou demos nelas.
  2. Quando for palestrar em países diferentes, é aconselhável colocar texto nos slides, porque se as pessoas não entenderem o que você falou elas pelo menos conseguem ler o que você tentou explicar.
  3. Leve seus slides em um pendrive. Você nunca sabe se poderá usar seu próprio computador ou se eles terão o adaptador de vídeo certo para o projetor (isso inclusive aconteceu comigo no FISL).
  4. Live code nunca dá 100% certo. Basicamente, se você quer explicar algo prefira gravar um screencast antes, mas se você quer impressionar é melhor codificar ao vivo, mesmo sendo perigoso. Screencasts te dão a tranquilidade de preparar com calma o conteúdo apresentado, mas nunca use o áudio deles na palestra. Se for codificar ao vivo, saiba a hora de desistir. Você vai se deparar com problemas e vai tentar corrigí-los, mas não perca muito tempo com isso, se não conseguir é melhor desistir do que perder o tempo dos outros com algo que você deveria ter planejado melhor antes.
  5. Sempre pergunte as pessoas o que elas captaram da sua palestra. Obter feedback é importantíssimo para entender o que elas aprenderam de fato.
  6. Organize os tópicos que deseja falar em post-its. Fica mais fácil bolar um bom enredo reordenando eles em uma mesa do que no seu editor de slides preferido.
  7. Não faça os slides apenas para o público da conferência. Outras pessoas irão acessá-los depois então faça de tudo para que elas possam entender também.
  8. Durante a palestra, grave sua tela e áudio com Camtasia ou Screenflow. Assim as pessoas podem acompanhar os slides sincronizados com o que você falou na hora.
  9. Disponibilize tudo logo após a palestra. Envie um tweet com seus slides, publique o vídeo no Youtube. Enfim, espalhe o conteúdo e espalhe logo, porque se você demorar as pessoas não estarão mais interessadas nele.
  10. Seja você. Pode parecer clichê, mas isso é muito importante. Nós somos programadores e não apresentadores de TV, por isso é normal todo nervosismo e timidez. Não se preocupe em tentar ser engraçado ou forçar uma linguagem corporal que não é tipicamente sua. Relaxa, sobe lá e arrebenta.

QCon 2012

No final de semana (04/08 e 05/08) rolou a QCon 2012, conferência que contou com nomes bizarramente importantes do cenário de desenvolvimento de software.

Martin Fowler (Chief Scientist na ThoughtWorks) e Ben Christensen (Software Engineer no Netflix) abriram os keynotes do primeiro dia. Depois o evento seguiu com tracks sobre Cloud, Agile e Mobile.

Já no último dia, rolaram as tracks de Front-end, Java e Startups. Zach Holman (Arquiteto do GitHub) e Tom Soderstrom (IT Chief Technology Officer da NASA) arrebentaram em seus keynotes abordando tópicos de Arquitetura e Cloud, respectivamente.

Fechando a track de Front-end, a minha palestra sobre Mitos do Front-end. Na qual foi filmada e assim que estiver online eu compartilho com vocês ;)

E a saga continua…

Nesse momento (06/08) escrevo do salão de embarque do aeroporto de Guarulhos. O destino da vez é Recife. Só que dessa vez não para uma conferência e sim para definir o roadmap do projeto Alloy UI junto com Nate Cavanaugh, Eduardo Lundgren e o resto da equipe.